Para onde vai sua encomenda?

24/08/2018 |
Assunto: , Condomínios

Em um cenário em que as vendas online só aumentam, a política da boa vizinhança e a criação de regras para recebimento de encomendas são iniciativas que dão certo no condomínio

Hilmar20180824

Com a mudança no perfil dos empreendimentos, especialmente nas grandes e médias cidades, a maneira de administrar o condomínio e os funcionários que nele trabalham também está se modificando. Hoje, os empregados precisam receber treinamento constante e os administradores sempre devem estar ligados nas novidades em termos de tecnologia e comportamento. Dentro desse vasto universo que se atualiza a cada dia, alguns temas são alvo de dúvidas tanto de condôminos quanto de funcionários. Um deles é o procedimento adequado para o recebimento de encomendas.

O aumento das vendas online tem provocado o crescimento do número diário de encomendas nos condomínios. Com isso, foi ampliada a ocorrência de alguns problemas como extravio, troca das compras entre os blocos e até a recusa do condomínio em receber as mercadorias. Uma matéria divulgada pela revista Exame em fevereiro deste ano apontou que essa modalidade de comércio representou 4,3% das vendas do varejo no país em 2017, enquanto que no ano anterior, a participação foi de 3,8%.

Desse modo, uma simples compra pela internet pode se transformar em um pesadelo até chegar nas mãos do morador. Mas é possível organizar a logística do edifício e estabelecer regras para evitar confusões. Uma das formas é ter a prática da boa vizinhança e instituir que o morador avise à portaria ou à administração que está aguardando uma encomenda. O profissional, então, recebe a mercadoria e a coloca em um espaço do edifício destinado a isso, para em seguida avisar o condômino, que tem 24h para fazer a retirada no local. Mas outras iniciativas também podem ser tomadas para administrar tanta encomenda. A Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (ABADI) esclarece alguns itens para tentar diminuir as adversidades e evitar confusões. Veja a seguir:

Quem é responsável pelas encomendas que chegam nos condomínios?
Isso é uma questão interna do condomínio, que geralmente está contida na Convenção, no Regulamento Interno ou por meio de decisão assemblear. Muitos condomínios possuem livro de registro de protocolo onde as encomendas recebidas são registradas pelos porteiros e, em seguida, distribuídas aos condôminos mediante a assinatura deles.

O porteiro pode se recusar a receber a encomenda?
Isso somente ocorrerá quando o síndico do condomínio expedir uma orientação neste sentido, caso contrário, não vislumbramos ser correta a negativa do recebimento de mercadoria endereçada ao morador.

Como os condôminos ficam sabendo que o seu condomínio não recebe encomenda?
A regra para o recebimento de encomendas está prevista na Convenção, Regulamento Interno ou decisão assemblear, instrumentos que todos os condôminos têm acesso, portanto, de conhecimento geral. Além disso, o síndico deverá sempre orientar os empregados do edifício neste sentido e, se for o caso, informar o morador da regra existente.

Existe alguma lei que regulamente os serviços postais?
A Lei Federal 6.538 de 1978 dispõe sobre os serviços postais regulamentando os direitos e obrigações concernentes aos serviços postais brasileiros, assim como o serviço de telegrama em todo o país e às relações com os demais países.

Dicas de como organizar o recebimento de encomendas
* Convocar assembleia para impor normas no regimento interno sobre o recebimento e distribuição de mercadorias, cartas e encomendas;
* Abordar nas regras o tamanho máximo para recebimento, valor do objeto recebido, protocolo de cada mercadoria recebida com comprovante de entrega ao destinatário, entre outros;
* Orientar o porteiro sobre as novas resoluções e responsabilidades;
* Comunicar todos os condôminos sobre as decisões quanto ao assunto;
* Se possível, destinar um espaço no condomínio para armazenar as encomendas;
* Estipular que os moradores avisem o porteiro sobre o recebimento de determinada mercadoria;
* Estabelecer um prazo para o morador retirar a mercadoria no local em que esta estará armazenada;
* Caso não haja porteiro e o condomínio opte por nomear alguém para receber encomendas, sinalizar no interfone qual é o apartamento responsável.

Fonte: Revista Hilmar 38

Voltar Próximo artigo