Outono – 20/03 a 20/06/2021

20/03/2021 |
Assunto: , Natureza

O início do Outono 2021 acontece hoje às 06h38 e termina no dia 21 de junho às 00h32

Outono20180320

As estações do ano são alterações climáticas que atingem diretamente os seres vivos e a natureza. Elas mudam a cada três meses no planeta Terra, somando um total de quatro diferentes períodos.

As estações do ano ocorrem de modo oposto no Hemisfério Norte e Hemisfério Sul da Terra. Isso significa que, quando é verão na Europa (Hemisfério Norte) é inverno no Brasil (que fica no Hemisfério Sul), e vice-versa.

O outono, estação do ano após o verão, tem as características próprias de queda de temperatura e das folhas das árvores, antecedendo o inverno e marcando a redução de luz solar durante o dia.

Outono vem do latim autumnus que significa mudança, por isso essa época é considerada um período de mudanças e renovação.

Durante o outono, os dias vão ficando mais curtos e as noites mais longas, e a temperatura, elevada durante o verão, começa a refrescar, fornecendo um clima ameno, não tão quente quanto no verão, e nem tão frio quanto durante o inverno.

No Hemisfério Sul, onde está localizado o Brasil, o outono é caracterizado pela troca de folhas das árvores, que começam a se preparar para a chegada do inverno.

As folhas caem e chove com menos frequência, além do que a umidade do ar é inferior e a ocorrência de ventanias e nevoeiros é maior.

Outra manifestação da natureza durante o outono é que os frutos de muitas plantas frutíferas amadurecem nessa época do ano. Vem daí esta época ter também a fama de estação das frutas.

Ainda quanto às características climáticas do outono, os ventos vão aumentando com o passar dos dias, ou seja, vão ficando mais fortes gradativamente, conforme a estação avança. Com a queda das temperaturas, diminui a umidade do ar, tornando o ar mais seco. Geadas e neve podem ser comuns em algumas regiões.

Região Sul

No mês de abril, as frentes frias (responsáveis pela qualidade das chuvas nesta época do ano) devem se tornar menos frequentes. Por isso, a chuva deve ficar abaixo da média histórica em praticamente toda a Região. Com menos precipitação, a tendência é de mais dias seguidos de tempo seco e mais calor que o normal para a época do ano. Apesar disso, as primeiras ondas de frio devem começar já no fim do mês.

Em maio, as configurações oceânicas continuam não favoráveis à passagem de frentes frias. Por isso, a chuva deve ser menos frequente, e deve acumular volumes abaixo da média histórica. As temperaturas caem, como é comum nesta época do ano, mas faz menos frio que o costume.

Já no mês de junho, algumas frentes frias mais intensas vão passar pela Região Sul, e provocar mais chuva do que o normal no leste da Região. Além disso, as massas de ar frio também deverão ser mais fortes e deixarão as temperaturas baixas, especialmente no Rio Grande do Sul.

Região Sudeste

Em abril, os volumes médios de chuva serão baixos no Sudeste em comparação com os meses de verão. Ainda são esperados alguns episódios de chuva, que acumulam volumes ligeiramente acima da média no centro-norte de Minas Gerais, no Espírito Santo e no norte fluminense. Nas demais áreas da Região, as chuvas serão menos frequentes e devem ficar abaixo da média histórica, enquanto as temperaturas devem ficar altas para o período.

No mês de junho, poucos episódios de chuva são esperados para o Sudeste. De forma geral, os volumes acumulados devem ficar próximos à média ou até abaixo do normal para o período, especialmente no interior de São Paulo. As temperaturas ficarão altas, com alguns dias bem quentes ao longo do mês.

Em junho, as frentes frias continuam passando afastadas da costa, sem provocar chuvas significativas no Sudeste do país. Os acumulados devem ficar ligeiramente abaixo da média, especialmente no interior paulista. Faz bastante calor na Região para a época do ano.

Região Centro-Oeste

A primeira quinzena do mês abril irá começar com chuvas bem distribuídas entre Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal, com volumes entre a média e ligeiramente acima da média para o período. Já em Mato Grosso do Sul, a chuva deve ser menos frequente, com volumes abaixo da média histórica.

Em maio, as chuvas serão escassas em Mato Grosso do Sul, que deve ter acumulados abaixo da média, além de calor intenso. Nas demais áreas da Região, tanto a temperatura quanto a chuva devem ficar próximos à média histórica.

Em junho, os fluxos de umidade do interior do país vão provocar vários temporais no oeste de Mato Grosso e de Mato Grosso do Sul, com expectativa de volumes acima da média histórica. Nas demais áreas da Região, poucos episódios de chuva devem ocorrer, como é comum para esta época do ano.

Região Nordeste

No mês de abril, a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) estará mais afastada da costa norte do Nordeste. Com isso, a previsão é de pouca chuva em grande parte da Região.

Já em maio, os Distúrbios Ondulatórios de Leste (DOL), responsáveis por grande parte da chuva no litoral norte e leste do Nordeste, estarão menos ativos do que o esperado para a época do ano. Sendo assim, os acumulados devem continuar abaixo da média histórica, enquanto as temperaturas continuam elevadas.

Em junho, as ondas de leste continuam enfraquecidas. Por isso, a chuva continua escassa em grande parte do litoral da Região, com volumes abaixo da média histórica.

Região Norte

No mês de abril, o posicionamento da ZCIT irá favorecer a formação de mais chuva entre o norte do Amazonas e Pará, em Rondônia e no Amapá. Nas demais áreas da Região, as chuvas devem ser mal distribuídas, com volumes abaixo da média histórica.

Maio continuará chuvoso no norte do Amazonas, em Roraima, no noroeste do Pará e no Amapá, com acumulados expressivos de chuva ao longo do mês. Os outros estados da Região terão chuvas próximas à média histórica.

Em junho, toda faixa norte da Região continuará com volumes de chuva acima da média histórica e temperaturas mais amenas. As demais áreas têm previsão de chuva próxima à média.

Vamos aguardar o Inverno.

Voltar Próximo artigo